Como cidades inteligentes, como Vitória, atraem mais investimentos

cidades inteligentes

De acordo com o Ranking Connected Smart Cities, Vitória está entre as dez cidades mais inteligentes e conectadas do país, na oitava posição. Entre as capitais, ocupa a quinta posição do levantamento, atrás de São Paulo, Curitiba, Brasília e Florianópolis. Mas além do objetivo de a partir de tecnologia oferecer melhores soluções urbanas, também representam grandes atrativos para investimentos.

Além disso, nos próximos anos haverá maior demanda por infraestrutura digital, o que oferece oportunidades de alocação de capital em um momento de juros baixos. Ou seja, o custo de oportunidade para que esses investimentos sejam feitos é baixo. Isso pode beneficiar a formação das Cidades Inteligentes, que tendem a atrair mais empresas e trabalhadores qualificados, gerando um círculo virtuoso.

O que são cidades inteligentes

As smart cities, ou cidades inteligentes, têm uma premissa: o uso das tecnologias para melhorar a qualidade de vida e gerar dinheiro. Nesse sentido, há alguns relatórios que trazem indicadores que qualificam os locais mais inteligentes e conectados.

No Brasil, por exemplo, o Ranking Connected Smart Cities, da consultoria Urban Systems, analisa todas as cidades com mais de 50 mil habitantes. O seu objetivo é definir as cidades com maior potencial de desenvolvimento.

Ao todo, são avaliados 70 índices, separados em 11 tópicos: mobilidade e acessibilidade, meio ambiente, urbanismo, tecnologia, saúde, segurança, educação, empreendedorismo, energia, governança e economia.

Vitória é uma cidade inteligente?

De acordo com o levantamento, Vitória se destacou no eixo de mobilidade, ocupando a 5ª posição. O indicador analisa as conexões interestaduais, destino aeroviário, veículos de baixa emissão de gases poluentes e mortes no trânsito. Já em relação ao porte de municípios, entre as cidades com população entre 100 e 500 mil habitantes, Vitória é a melhor no recorte mobilidade e acessibilidade.

Vale ressaltar que, apesar da boa colocação, a capital capixaba pontuou 2,69 dos 6,75 possíveis, evidenciando espaço para melhora.

É no indicador de saúde, porém, que a Ilha ganhou maior relevância: ocupa a primeira posição, no qual está desde 2015.

A capital está entre as 10 melhores cidades do país em mobilidade urbana, meio ambiente e em economia.

O que Vitória tem a melhorar

Por outro lado, o estudo apontou que Vitória precisa de atenção em questões de saneamento, para ampliar o atendimento de água e de coleta de esgoto. Segundo o Sistema Nacional de Informações de Saneamento, do Ministério do Desenvolvimento Regional, 81% da rede de esgoto da cidade é tratada. A aprovação do Novo Marco do Saneamento Básico tende a ajudar nesse processo no ES.

No quesito de educação, tecnologia e inovação, a pesquisa mostrou que 38,1% dos empregos formais são ocupados por população com ensino superior. Ainda nesse contexto, Vitória conta com 30,6 pontos de acesso à internet por 100 habitantes. Já a taxa de abandono no ensino médio público é de 1,9%. Esses resultados colocam a cidade apenas na décima posição do indicador de educação.

A despeito da boa colocação no ranking brasileiro, Vitória não aparece no estudo global realizado pelo Centro de Globalização e Estratégia do Instituto de Estudos Superiores da IESE. São analisadas 174 cidades de 80 países, sendo Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro as únicas brasileiras presentes, todas no último terço do ranking. O Rio, que no levantamento nacional está atrás de Vitória, aparece na 128º posição a luz de ecossistema sustentável, atividades criativas, igualdade entre os cidadãos e território conectado.

Cidades inteligentes atraem investimentos

De acordo com o levantamento feito pelas consultorias europeias IJGlobal e M&E Global, 63% dos alto executivos de grandes bancos e instituições financeiras acreditam que a pandemia aumentará a procura pela chamada infraestrutura digital, à medida que as pessoas se tornam cada vez mais dependentes da conectividade.

Isso envolve áreas como 5G, internet das coisas e cidades inteligentes. Dessa forma, os países que não investem em infraestrutura digital correm maiores riscos de perder competitividade e ficarem para trás. 

Pesquisa da consultoria Frost & Sullivan prevê que o mercado de Internet das Coisas — a tecnologia que permite a comunicação entre objetos, como postes de luz, carros ou câmeras de monitoramento — movimentará US$ 2,4 trilhões até 2025.

Por conseguinte, esse movimento ocorre enquanto Vitória já é uma das cidades mais inteligentes dentro do Brasil. Com o leilão do 5G, que deve ocorrer em 2021, haverá maiores investimentos em infraestrutura digital em um cenário de juros baixos. Com o desenvolvimento do mercado de capitais, há a oportunidade de Vitória se destacar ainda mais como uma smart city, o que por sua vez atrairá mais empresas e capital humano qualificado para o ES, rendendo frutos em longo prazo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *