As ações mais recomendadas do BTG em setembro

Ações setembro

A carteira 10SIM do BTG Pactual tem o objetivo de selecionar as melhores oportunidades e performances do mercado de ações, com 10 ações recomendadas a cada mês, sem considerar necessariamente índices de referência ou liquidez. Ela também conta com ativos bem diversificados, resultando em menor risco. 

Dessa forma, a rentabilidade acumulada nos últimos dez anos é de 226%, contra 63% do Ibovespa:

Esses resultados demonstram a qualidade e o alto nível de fundamentação da equipe de profissionais do BTG Pactual.

Visão do BTG para o momento atual

Apesar de a bolsa oscilado desde o início de agosto em meio às incertezas fiscais, a instituição considera que a tendência para o futuro é positiva, devendo ultrapassar os 105 mil pontos.

Diante disso, o Equity Analyst Ricardo Cavalieri indicou na live promovida pela Apex que nesse cenário é melhor investir de maneira faseada, aproveitando melhor o momento de volatilidade. Ainda destacou a importância do stock picking, selecionando as ações com maior potencial de mercado neste momento.

No que se refere às perspectivas para os próximos meses e anos, ele mencionou que a tendência deve ser a continuidade de maior entrada de investidores na bolsa, devido ao custo de oportunidade muito baixo, tendo em visto os patamares atuais do CDI. Isso já está ocorrendo, com a entrada de novos investidores pessoas físicas: apenas entre março e agosto o número de CPFs subiu 52%, em 2.958.442.

Além disso, desde o início da pandemia o ambiente político melhorou consideravelmente, com menos atritos e até mesmo um aumento da popularidade do governo, tirando do foco questões como um impeachment. Outros fatores foram a aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento e as reformas tributária e administrativa entrando na pauta do Congresso, contribuindo para reduzir a percepção de risco do país.

Entretanto, algumas tensões recentes envolvendo o teto de gastos e o risco de irresponsabilidade fiscal, assim como possível saída do ministro Paulo Guedes, causaram como consequência uma barreira para o Ibovespa ultrapassar de vez o patamar dos 105 mil pontos.

De maneira geral, Cavalieri ressaltou: “acreditamos que a tendência é aprovar a agenda de reformas, mas não é algo factível no curto prazo, então o mercado deve observar outras questões pontuais”. Um exemplo dessas questões são as eleições americanas e municipais que se aproximam. Dessa forma, a análise final é de que a volatilidade deve permanecer no curto prazo, mas a propensão de alta continua presente.

Duratex – DTEX3

A Duratex entrou na carteira 10SIM e na carteira Small Caps. O fundamento de atratividade da companhia reside também no fato dela já estar operando em níveis praticamente normalizados apesar da pandemia. Um dos fatores apontados foram as reformas de imóveis que vem se intensificando no momento. Possivelmente, isso é uma consequência da maior permanência das pessoas em casa devido ao home office.

A empresa é produtora de painéis de madeira, soluções em laminado, vinil e rodapé, entre outros. Dessa forma, a dinâmica da Duratex está muito atrelada à aceleração da construção civil e ao crescimento do setor imobiliário em um cenário de juros baixos, havendo perspectivas positivas.

Vale – VALE3

A Vale retornou sua política de dividendos, a serem pagos aos acionistas em 30 de setembro, sendo R$ 2,40 brutos por ação, indicando forte caixa da empresa.

No que se refere aos fundamentos, a companhia é muito vantajosa, com o minério em patamares de preço elevados, com a demanda por aço seguindo forte da China, tendo em vista as obras de infraestrutura que estão sendo promovidas pelo governo. Esse cenário contribui para o preço do barril da commodity em US$ 130 dólares, sendo apontado que mesmo com a queda para a faixa dos US$ 100 o fundamento por trás desse player ainda se mantém.

O cartel do minério de ferro é muito mais organizado do que o do petróleo, a OPEP, com todas as empresas operando em linha de acordância, o que reforça a sua estabilidade e patamares altos de preço.

Além disso, com a lucratividade, o BTG espera que o pagamento de dividendos em 2021 venha em uma linha muito forte, na faixa de até 15% de dividend yeld.  A projeção ainda considera uma folga grande para eventual correção do minério.

Petrobras – PETR4

O BTG vem recomendando a compra da petroleira desde o início da pandemia. Isso porque a empresa possui alta resiliência no longo prazo, apesar de serem conservadores quanto ao ritmo de recuperação dos preços do petróleo.

Eles destacam que o foco da Petrobras em projetos de alto retorno na área do pré-sal deve fazer com que a empresa possa reduzir o ponto de equilíbrio do petróleo abaixo de US$ 30 o barril. Assim, abre-se espaço para lucros sustentáveis em longo prazo.

Outro fator é que o pior momento para os mercado de petróleo parece já ter passado. Além disso, deve ser destacado o processo de desalavancagem e de redução dos riscos da companhia, com o desinvestimento de 50% de suas refinarias. Portanto, o BTG considera a relação risco-retorno atraente nos ativos da Petrobras.

Oi – OIBR3

A Oi se trata de um case de risco, levando em conta as dificuldades operacionais e o fato de estar em recuperação judicial. Embora a empresa tenha um alto nível de endividamento, está vendendo ativos para liquidar isso. Também está buscando vender uma parte de sua empresa de infraestrutura por R$ 25 bilhões.

Além disso, está a empresa está em processo de venda do segmento de assinatura de televisão. Assim, se considera que a telefônica conseguirá “reorganizar a casa”, voltando a ter um valor superior ao atual. Por isso, o BTG atribui um preço-alvo de R$ 2,00 para o papel. Entretanto, deve ocorrer uma provável revisão para cima em caso de concretização dos pontos aqui trazidos.

JBS – JBSS3

A avaliação do BTG para a JBS não ter melhorado tanto em relação aos outros papéis de seu setor se dá porque ela ainda tem sido penalizada pelos investidores devido aos problemas de governança corporativa e às questões ambientais. Por esse motivo, “o fluxo comprador do papel é muito nacional, e o externo não compra, porque os fatores citados afetam a percepção de risco da companhia”.

O setor de proteína animal, no entanto, foi extremamente beneficiado pela crise, com elevação do preço de seu produto e aumento das vendas, principalmente para o mercado externo. Além disso, com o câmbio desvalorizado, a lucratividade dessa atividade aumentou.

Ainda, no que se refere à penalização de alguns investidores quanto às questões ambientais e de governança, a empresa andou tomando algumas medidas para melhorar sua imagem. Além de doações durante a Covid-19, foram tomadas medidas para reorganizar a casa e a redução do nível de poluentes. Por fim, recentemente a empresa anunciou investimento de R$ 1 bilhão para a preservação da Amazônia, com o objetivo de zerar o desmatamento na região, até 2025, com controle sobre fornecedores indiretos.

“Acreditamos que aos poucos a empresa irá melhorar essa percepção e negociar a múltiplos mais altos”, afirmou Cavalieri. Por todos esses fatores, a recomendação do BTG Pactual para o papel é de compra.

Lojas Americanas – LAME4

As Lojas Americanas, fazendo parte do comércio físico de varejo, sofreu elevados impactos de curto prazo, com a diminuição do tráfego em suas lojas. Entretanto, o BTG considera que os fundamentos da empresa são resilientes, com iniciativas crescentes de O2O, com sistemas que atraem os consumidores para fazer compras em empresas físicas por meio de um ambiente digital.

Vale ressaltar que foi levado em conta que a companhia é altamente exposta ao crescimento do e-commerce, por meio da B2W, na qual as Lojas Americanas possuem uma participação de 62%, além da exposição ao mercado de pagamentos digitais, por meio do Ame Digital.

Por fim, suas ações negociam a um valuation atraente, levando em conta o setor ao qual pertence.

B3 – B3SA3

Com o crescimento do número de investidores, a B3 continuou apresentando resultados fortes no 2° trimestre, com receita ligeiramente acima dos números também fortes, do 1° trimestre. O guidance de payout de 2020 entre 120% e 150% foi reiterado e a empresa está cumprindo o roteiro de produtos, incluindo BDRs. Além disso, os volumes continuaram em níveis resilientes em julho e agosto.

Ainda contribuem para um desempenho positivo, com aumento rápido de pessoas físicas na bolsa, os patamares das taxas de juros em mínimas históricas e os fluxos de informação substancialmente mais altos por meio de canais digitais.

TIM – TIMP3

O setor de telecomunicações em geral deve superar a média do mercado neste momento, visto que seu modelo de negócios é mais resiliente, com forte geração de fluxo de caixa.

Falando especificamente sobre a TIM, o BTG acredita que há uma vantagem adicional decorrente da possível transação de M&A envolvendo a Oi Mobile. Dessa forma, caso a venda da divisão móvel da Oi por R$ 16,5 bilhões seja confirmada, o BTG estima que as sinergias poderiam chegar a R$ 3,50 por ação, que somadas ao preço-alvo por eles estimado de R$ 16,50, resultam em um preço-alvo de R$ 20,00 por ação.

CCR – CCRO3

A CCR figura como a principal opção de transporte para o banco, com base em alguns fundamentos. O primeiro é o modelo de negócios defensivo adotado pela empresa, demonstrando resiliência durante a crise, além de os dados referentes ao tráfego de agosto já confirmarem uma retomada gradual.

O segundo motivo é o cenário sólido para o setor em longo prazo, visto que o Brasil enfrenta uma lacuna de infraestrutura, sendo que as concessões devem retornar após a crise. A perspectiva é que a empresa também se beneficie de um cenário menos competitivo no mercado, devido às pressões financeiras enfrentadas pelas maioria de seus concorrentes.

Por fim, os níveis de valuations são atraentes, com negociações a uma Taxa Interna de Retorno (TIR) real de 7,2%.

Cyrela – CYRE3

A Cyrela, incorporadora e construtora de imóveis, deve surfar a onda da recuperação do setor habitacional, sem falar nas condições macroeconômicas que favorecem o setor no momento.

Mesmo com a crise do coronavírus, há uma recuperação rápida das vendas de imóveis domiciliares no segmento de renda média/alta. Além disso, como pode ser visto no radar do mercado imobiliário de setembro da Apex Partners, vê-se a retomada deste setor como um todo. Isso é impulsionado pelas taxas de hipoteca mais baixas do que nunca. O Santander, por exemplo, anunciou novos cortes nessas taxas, anunciando uma taxa de 6,99% acrescida da Taxa Referencial (TR).
Mais especificamente, a avaliação do BTG é que a Cyrela está muito bem posicionada para aproveitar esse momento porque detém marcas diferentes que atendem a todos os segmentos de renda. Assim, mesmo beneficiando-se da recuperação das vendas de imóveis e voltando a realizar lançamentos, a empresa ainda negocia a um valuation atraente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *