Carteira recomendada de Small Caps de fevereiro

Carteira recomendada small caps

A Apex Partners divulga mensalmente a Carteira Recomendada de Small Caps do BTG Pactual, que tem como objetivo selecionar as melhores oportunidades de crescimento no mercado das empresas com valor de mercado informal de até R$ 15 bilhões. Ela é composta por 5 small caps selecionadas pela equipe de análise e estratégia da instituição, com time de Research eleito o melhor do Brasil.

No mês de janeiro a Carteira Recomendada de Small Caps apresentou uma alta de +20,8%, contra queda de -3,4% do SMLL e de -3,3% do IBOV. Desde julho de 2010, a carteira acumula uma rentabilidade de 2.475,4%, contra 139,3% do SMLL e 88,7% do IBOV.

Para o mês de janeiro foi feita 1 alteração, com a entrada da empresa de soluções para transporte Randon (RAPT4) e a saída da plataforma de cashback Méliuz (CASH3).

Aeris (AERI3)

Aeris é a Top Pick do BTG no universo de Bens de Capital, com base em fundamentos setoriais atraentes e vantagens competitivas, como: (i) perspectivas brilhantes para o setor de energia eólica, com o crescente apelo de energia renovável; (ii) um mercado consolidado, dominado por grandes OEMs e fabricantes de pás de rotor, com tecnologia e demandas de capital crescentes que representam grandes barreiras de entrada; (iii) clara liderança de mercado no Brasil (~70% de participação de mercado da carteira contratada do país), posicionando a empresa para se beneficiar da crescente terceirização da produção de pás de rotor; (iv) excelência operacional, apoiada por uma unidade de produção altamente verticalizada e de última geração estrategicamente localizada no coração do principal pólo da indústria eólica do Brasil e administrada por pessoas talentosas.

Dessa forma, os retornos de capital tendem a ser acima da média. Além disso, a indústria passa por um momento de sentimentos positivos após a eleição de Biden nos EUA. A Aeris, especificamente, está negociando um importante contrato com a Siemens, que deve diminuir ainda mais o risco de suas projeções de volume.

Santos Brasil (STBP3)

A visão construtiva do BTG sobre a empresa é baseada em (i) melhor ambiente regulatório, (ii) melhor dinâmica competitiva em Santos, e (iii) perspectivas favoráveis para o setor portuário / de infraestrutura.

Além disso, a conclusão da oferta de follow-on de R$ 790 milhões capitalizou a empresa para: (i) aproveitar o ousado pipeline a ser leiloado no setor de infraestrutura; (ii) verticalizar e integrar sua cadeia logística por meio da SBLog; e (iii) consolidar o Porto Brasileiro de Contêineres. Apesar da dinâmica desafiadora de curto prazo nos volumes de importação de Santos, o nome é negociado a uma TIR real de 7,4%, com oportunidade de risco/retorno atraente.

Lavvi (LAVV3)

A Lavvi lançou dois projetos no 4T com forte desempenho de vendas e espera mais 4 projetos em 2021 (incluindo o icônico projeto Ibirapuera/Versace, com ~R$ 500 milhões de valor de vendas).

Além disso, tem conseguido adquirir terrenos com condições atrativas, apesar da acirrada competição por terrenos em SP. Portanto, como o mercado imobiliário deve continuar forte em São Paulo, a Lavvi poderia aumentar os lançamentos e as margens para atingir seu ROE desejado de 25%.

Oi S.A. (OIBR3)

Após um início de ano promissor, as ações da Oi despencaram e agora estão em R$ 2,08. Para o BTG, a correção das ações pode ter sido ocasionada por investidores desiludidos com o fato de apenas dois veículos terem demonstrado interesse na InfraCo e os lances não terem ultrapassado muito o preço mínimo.

Entretanto, é prematuro concluir que elas permanecerão onde estão, pois que dois concorrentes fortes é tudo o que é necessário para um leilão disputado, segundo o banco. O preço-alvo para a Oi é de R$ 3,10, presumindo a InfraCo vendida por R$ 24 bilhões, com potencial de valorização de 49%.

Randon (RAPT4)

A visão positiva em relação à Randon foi baseada (i) em expectativas de bons resultados do 4T, devido à demanda resiliente de reboques e de aftermarket e (ii) demanda resiliente de veículos pesados para 2021, com a manutenção dos volumes agrícolas e retomada de outros importantes segmentos de compradores.

No longo prazo, o BTG também está otimista com (i) a melhor alocação de capital da empresa, (ii) seu foco persistente em automação, (iii) as iniciativas de inovação lançadas pelo CEO, (iv) uma margem EBITDA estruturalmente mais alta, e (v) um ciclo de maturação de capex.

Além disso, há expectativas positivas quanto à incorporação da Nakata pela subsidiária da Randon Fras-le, uma vez que foi aprovado pelo CADE (órgão antitruste) em setembro. Esses pontos fortes são combinados com um nível de valuation atraente de 12,2x P/L 2021.

Disclaimer: Esta apresentação tem como único propósito fornecer informações e não constitui ou deve ser interpretada como uma oferta, solicitação ou recomendação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócio específica. Essa apresentação é um documento de cunho meramente informativo, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *