Intervir na Petrobras é repetir aventura que já deu errado

Escalada do preço do barril do petróleo, queda de produção entre importantes produtores e acordo político entre a OPEP para manutenção de valorização dos preços, além da retomada econômica global. Os fundamentos para a Petrobras eram promissores: mas, parafraseando Carlos Drummond de Andrade, “tinha um governo no meio do caminho”.

Desde sexta-feira (19), a companhia já perdeu mais de R$ 100 bilhões de valor de mercado diante do receio de troca de comando na Petrobras. O aumento do preço do petróleo no mercado internacional e a desvalorização do real frente ao dólar resultaram no aumento dos combustíveis — isso após a desvalorização chegar a até 21% para a gasolina e 14% para o diesel quando comparado com o mercado internacional. Os reajustes da companhia, repassando os preços, desagradou setores da sociedade e motivou as críticas do presidente Jair Bolsonaro. A queda nas ações refletiu a precificação desse movimento.

Os temores de investidores não são à toa: o governo de Dilma Rousseff foi marcado pela manipulação de preços da empresa de economia mista a fim de controlar a inflação. A própria empresa calcula que decisões de não repassar os preços internacionais para o diesel e a gasolina entre 2008 e 2018 causaram prejuízo de R$ 180 bilhões para a estatal. Para efeitos de comparação, segundo laudo da Polícia Federal de setembro de 2016, os prejuízos que a Petrobras teve com os esquemas de corrupção desvendados pela Lava Jato poderiam chegar a até R$ 42 bilhões, isto é, quatro vezes menos!

Estatais não podem ser utilizadas para se fazer campanha de reeleição, políticas públicas e tampouco assistencialismo aos mais vulneráveis — para isso, o governo já dispõe de enorme orçamento e ferramentas que são, inclusive, mais eficazes. Mais do que isso: ao interferir na empresa, não será prejudicado apenas quem investiu em ações da Petrobras, mas em última análise toda a população com a falta de confiança gerada, instabilidades e até riscos de desabastecimentos.

Intervir na Petrobras gera riscos políticos, fiscais e ambientais

Há ainda outros problemas. O governo já anunciou a suspensão de tributos federais sobre o diesel por dois meses, o que custará  aos cofres públicos cerca de R$ 3,3 bilhões no período — o que pode elevar a pressão internacional sobre políticas ambientais no Brasil, além de aumentar os problemas fiscais ao pressionar o Ministério da Economia: como será compensado esse valor? Eis a questão.

A Petrobras divulgará o resultado do último trimestre de 2020 na próxima quarta-feira (24). A expectativa de mercado é que a estatal registre ganhos de R$ 34 bilhões em 2021, ante R$ 29 bilhões há três meses. Tal resultado depende dos valores do barril do petróleo, mas também do governo desistir de praticar aventuras que no passado já deram muito errado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *